sábado, 15 de agosto de 2009

UM PRATO QUE SE COME JUNTO


Dizem que a vigança é um prato que se come frio. Não sei. Dizem que o apressado come cru. Mas come, costumava dizer um professor meu. Não sei. O que digo - e penso e sinto - é que a felicidade é um prato que se come cozido, quente, aos poucos e acompanhado.
Veja-se um prato: uma supérficie não rasa o suficiente para comida cair, nem funda o suficiente pra dar trabalho do talher adentrar. Joga-se a comida em cima dele e nota-se: a comida se espalha do meio para as bordas. Primeiro o meio, depois as bordas. Na hora de comer, às avessas: primeiro as bordas, depois o meio.
Gosto das lições poéticas que nos dão os pratos. Porque a tal felicidade é bem isso: um estalo que jorra primeiro no meio, no íntimo, no centro, e depois atinge as bordas (há quem diga que transborda - depende da fome, da gula...), mas na hora de ser saboreada, comida, devorada, engolida é necessário o processo inverso: comer o que está pelas laterais, ir se saciando, até chegar no meio.
A última colherada pressupõe uma vida inteira. E para quem pensa que terminada esta, basta um guardanapo e o preço da conta, ledo engano. A última colherada é só a primeira extinção da primeira fome. Depois vêm outros pratos, outros sabores. A felicidade é doce quando experimentada num domingo a tarde; salgada nos intervalos de almoço; amarga no pôr-do-sol das segundas e até azeda quando lambida como aperitivo.
Já se é feliz quando se prepara a felicidade. Já se é feliz quando se mistura os ingredientes. Já se é feliz quando se coloca a mão na massa, quando se corta a carne e se rala o sol, quando se prova o sal e acrescenta os últimos temperos. Já se é feliz quando o forno é ligado e enquanto espera-se o cheiro da felicidade invadindo as casas dos vizinhos - pois é... - já se é feliz.
Depois serve-se, à mesa, o resultado. É apetitoso aos olhos. É completo e cheiroso. Está quente. Queimar a boca, se devorado imediato, é o de menos. Pode arrancar pedaço, deixar cicatriz. Não é bom, em suma, jogar um pedaço de felicidade quente demais pelos lábios e senti-lo escorrendo garganta adentro.
Não é adequado também sair e deixar lá, esfriando... Perde o gosto. Qualquer pessoa inteligente sabe que comida boa é comida que se assopra. O sopro é o primeiro carinho do lábio. Depois disso é que a boca se abre e a comida se acomoda na palma da língua. Pros menos poéticos, um recado: aquilo que se libera no fim da digestão não é o que mantém: é excesso. O corpo expele o que excede, mas o que alimenta vira o próprio corpo.
Enquanto tudo isso acontece, faz parte do arranjo a companhia. O velho clichê do bom lugar, boa comida, boa companhia. Ninguém sacia se se alimenta sozinho. Muito menos de felicidade.
A felicidade é preparada de uma vez só, mas é experimentada em fatias. Uma fatia pra cada acompanhante. Um corta um pedaço, o outro pega os garfos.
Descobri que é pouco estar-se satisfeita. É possível ser feliz. Moderada e intensamente.

Samelly Xavier, almoçando.

8 Comments:

Thalyta said...

"A felicidade é preparada de uma vez só, mas é experimentada em fatias. Uma fatia pra cada acompanhante. Um corta um pedaço, o outro pega os garfos.
Descobri que é pouco estar-se satisfeita. É possível ser feliz. Moderada e intensamente."

Depois que li isso, percebi que estou experimentando (e distribuindo)minha felicidade em fatias. Descobri também que cada fatia tem um sabor diferente, e que cada acompanhante define se vamos saborear devagar e aos pouquinhos ou se vamos devorar com uma gula de quem já pensa no próximo pedaço...
Me descubro tanto quando leio suas palavrinhas!
Vc é espetaculosamente gênia Samelly!
Beijos...

Ronnie said...

Como sempre, muito bom...e muito gostoso de se ler!

Fern! said...

"Uma fatia pra cada acompanhante. Um corta um pedaço, o outro pega os garfos."

Uma fatia da minha felicidade é sua!

Lindo texto!

Abraço apertado,
Da sua fã sem número!

Maria said...

Eu senti até fome =D

Vou lembrar de cada linha quando pegar meu prato. Incrível!

Meu beijo

Adir said...

Querida amiga,
Hoje, você recebeu o selo Fique de olho nesse blog do Quero que voce leia (http://queroquevoceleia.blogspot.com/)
Se decidir postá-lo aqui, vá lá e confira as regras.
Parabéns! Seu blog é demais!
Adir

Ana maria Guimaraes Ferreira said...

Gosto do gôsto de suas crônicas: doces, sinceras, dirigidas, emburradas.
Gôsto de poesia escrita em linha reta
Gosto do que leio,
do que me alimento quando leio coisas boas.
Parabens

Anônimo said...

Eu sou sua fã!

Laísy said...

Que bom Samelly... Parabéns!