sábado, 12 de dezembro de 2009

MÃOS DE ADEUS E BOAS VINDAS


Às vezes a vida se mistura de tal maneira que os protagonistas se sentem expectadores. Eu que sempre tenho tantas palavras, ando procurando poupá-las, respeitar os significados das palavras, não as usar pra qualquer olho ler. É preciso honrar significados.

Gostaria de dar notícias minhas. De dizer que os ciclos estão se encerrando e estou de braços abertos pro que virá. Gostaria de fechar meus braços em abraços, como se o antigo tango fosse parte do meu cruzar de pernas.

Às vezes, me pego triste, olhando pros mensageiros dos ventos do meu terraço procurando decifrar quantas almas hão de se salvar por eles continuarem tocando e minhas lágrimas continuarem caindo. Nessas horas me permito desmoronar e depois voltar inteira como me ensinou Cecília Meirelles.

Às vezes, me pego eufórica, gargalhando pros encantos que me perseguem. Pras possibilidades que me animam, pros sonhos que ainda não cansei de ter. Nessas horas sinto que só não guardo estrelas no bolso porque não levanto minhas mãos para alcançá-las. Saber que elas brilham, à parte qualquer poluição, já me é suficiente.

Às vezes, me pego saudosa sem saber onde colocar o passado, porque ele me acorda todas as manhãs quando o mesmo bom dia me diz mais um dia, quando o mesmo mais um dia me diz irrepetível. O mais triste das lembranças é não serem sempre divididas com quem as compõe. A lembrança é minha, não de quem me faz tê-la.

Às vezes me pego prenha de futuro. Incapaz de abortar sonhos, escolhendo os nomes da próxima paixão. O mais gostoso das lembranças que virão é esse gosto de que serão compartilhadas como um desejo antigo e inédito.

Às vezes sou multidão desacompanhada. Às vezes sou quatro paredes lotada de milhares de mim. Às vezes sou tristeza passageira, outras alegria me guiando. Sou lua em flor, rede de pescador.

Há muitas palavras borbulhando em mim, mas a nem todo olhar as entrego agora. Cansei de mão me aplaudindo, agora eu a quero me enroscando.

Meus desejos aos que visitam o São Seus Olhos é que desejem, desejem sempre e cada vez mais!

Que 2010 venha de mão (e alma) beijada para todos nós!


Samelly Xavier, antecipando seu reveillon

6 Comments:

Agostinho Lopes said...

sAME!

Esse texto merece ser o de abertura do "...e coisa e tal". Se eu não tivesse sugerido esse título, arriscaria sugerir outro nome que me veio agora à mente. Inédito... Se prepare.... Vc vai concordar.... O nome é
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Feliz ano velho!... kkkkkkk

Que tal?

Anônimo said...

Belo texto anunciador ...
Um abraço de gratidão.
Hebe

Vanessa said...

Samelly eu li viu? e como sempre adorei! :D

Samelly said...

Vanessa, eu vi seu comentário viu? E não esqueci sua "pauta", rs.

Ielison said...

Mas as lembranças são o que as outras pessoas nos deixam, sabendo ou não, e essas lembranças nos preenchem a todo instante. As lembranças são suas. Os sentimentos? Sim, tem sentimentos seu também. Mas o momento foi de todos!

Feliz Natal (adiantado =D), saudades de você!

Fern! said...

E em 31 de Janeiro tu vens! E a gente se enrosca no forró!

Te amo, minha bela!